14/01/2019

Tratamento sem dor na odontologia moderna

Tratamento sem dor na odontologia modernaPublicado em 14 jan, 2019 - 16:41 por Cristina Aguilera

Segundo dados da Sociedade Americana de odontologia, três em cada dez adultos têm medo de ir ao dentista.

As razões são inúmeras, mas a maior parte vem de experiências traumáticas vivenciadas em tratamentos anteriores.

De acordo com o cirurgião dentista Luiz Akaki, especialista no assunto, um dos principais obstáculos da odontofobia é que muitos pacientes abandonam o tratamento e ampliam seus problemas bucais, podendo causar inclusive doenças graves.

“As infecções bucais se não forem corretamente tratadas, podem virar um problema mais grave, se espalhar por outros órgãos e levar até mesmo a morte. Várias pesquisas mostram que você pode ter uma descompensação de doenças sistêmicas por infecções crônicas advindas da boca”, explica o especialista.

Leia Também  O dentista Alexandre Morita explica efeitos do cigarro na saúde bucal

Mas para os 30% da população que sofre com a odontofobia, a odondologia moderna conta com uma nova abordagem para minimizar o problema.

São técnicas de comportamento, relaxamento, e tecnologia de ponta.

Tudo para ir desassociando a mente do paciente do que gerava o medo.

Hoje, a começar pelos consultórios que não têm cara e nem os odores da odontologia, passando por cadeiras de massagem, com vídeo, música e até mesmo, anestesia sem agulha.

Leia Também  Braskem faz reciclagem de copos descartáveis para empresas

Mas de acordo com o doutor Akaki, antes é preciso identificar o nível de fobia do paciente para que tenha um tratamento personalizado.

“ Existem vários níveis de fobia em uma escala de zero a dez. Têm pessoas que não conseguem nem sentar na cadeira do dentista de tanto pânico. Outras vezes, o medo é específico, do motor, ou da agulha. A função do dentista é identificar o medo e procurar alternativas”, ensina o especialista.

 

Odontologia humanizada -

Odontologia humanizada

Eliminando a ansiedade: sedação com oxido nitroso, o gás do riso:

Outro grande aliado para quem quer vencer a odontofobia é a sedação realizada com óxido nitroso (N2O) e oxigênio (O2).

É feita pelo próprio dentista, capacitado por curso específico, e deixa o paciente totalmente relaxado, porém consciente.

Durante a utilização do gás, o paciente tem monitoração constante dos batimentos cardíacos e aferições de pressão arterial, deixando o procedimento ainda mais seguro do que o convencional.

A ação do Óxido Nitroso é no Córtex Cerebral, região que controla o medo e a ansiedade, levando ao relaxamento.

E é considerada um dos procedimentos sedativos mais seguros na odontologia.

Dr Akaki explica, ainda, que para os pacientes com fobia mais intensa, existe também a sedação endovenosa, acompanhada por médico anestesista.

É uma sedação  mais profunda que óxido nitroso e o paciente recebe medicamentos que causa sono e o fará dormir, para que o mesmo não vivencie o procedimento a ser realizado.

É muito seguro e  não apresenta riscos e nem  os desconfortos de uma  anestesia geral.

Habilidade profissional:

Evitar a dor é, sem dúvida, um importante caminho para auxiliar  que o paciente traumatizado tenha segurança nos procedimentos realizados.

Do ponto de vista neurológico, é possível dizer que somos extremamente sensíveis a tudo o que diz respeito aos estímulos na região da boca.

Por isso, cada manobra que o dentista vai fazer precisa ser muito cuidadosa. Além, é claro, da habilidade do profissional.

Fobia em crianças:

Crianças também podem ter fobia. Mas a princípio, os tratamentos se diferem.

De acordo com o doutor Luiz Akaki, muitas crianças chegam aos consultórios com um pouco de medo, mas normalmente a fobia não está totalmente instalada.

“ Muitas vezes, o medo dos pequenos vem dos pais e avós que utilizam frases inadequadas quando falam sobre a odontologia. Mas com uma ou duas sessões, é possível o odontopediatra  condicionar a criança de forma lúdica, para que não tenha medo.  Apenas em casos específicos utilizamos sedação como no adulto, mas sempre de forma segura”, diz.

Mas se tem um segredo que pode realmente melhorar a vida de um paciente odontofóbico é a confiança no profissional.

Ter empatia pelo dentista é fundamental para diminuir a resistência e o medo.

“Qualquer profissional da área de saúde precisa ter uma conexão com o paciente, especialmente com os que tem fobia. Só comece o tratamento quando sentir essa confiança”, finaliza Luiz Akaki.

Sobre Dr. Luiz Fernando Akaki Borges:

Graduado pela Universidade de São Paulo (USP) – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (1991).

Especialista em Prótese Dentária – FORP USP.

Pós-graduado em Implantodontia Oral.

Mestre em cirurgia e medicina.

Professor e coordenador de cursos de Implantodontia e Cirurgia Avançada desde 1994. Com participação em diversos Congressos pelo Brasil e no exterior.

Serviço:

Para saber mais sobre Akaki Odontol. Integrada clique aqui: 

Fotos: Dani Uemura

 

 

 

 

Sem categoria