Reconstrução de mama: técnica realizada em Londrina traz esperança às pacientes após câncer



Reconstrução de mama: técnica realizada em Londrina traz esperança às pacientes após câncerPublicado por Parceiro Dino em 31 jan, 2020 - 15:02 -

Londrina/PR 31/1/2020 – A principal vantagem está em usar o tecido da própria paciente, eliminando assim o risco de rejeição ou mesmo novas neoplasias (cânceres) causadas por próteses

Quando o assunto é câncer de mama, muito se fala sobre o diagnóstico precoce, mas pouco é falado sobre como ficam as pacientes que precisam passar por mastectomia, que é a retirada total da mama.

A autoestima da paciente tende a ser afetada e, até então, a principal forma de recuperar o aspecto das mamas era com o uso de próteses de silicone.

Porém, uma técnica relativamente nova está sendo realizada em Londrina e traz novas esperanças às pacientes. É o DIEP – acrônimo do inglês Deep Inferior Epigastric Perforator Flap (Retalho da Artéria perfurante da Artéria Epigástrica Inferior).

O que é a técnica DIEP?

Realizada por microcirurgiões e cirurgiões plásticos a técnica consiste em reconstruir a mama da paciente com tecido dela mesma.

A reportagem conversou com Dr. Guilherme Ogawa, que é microcirurgião formado pela UEL, com residência em Ortopedia e Traumatologia e também Cirurgia da Mão, pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Com cursos nacionais e internacionais, volta a Londrina trazendo a técnica para pacientes de toda a região que buscam um novo olhar na fase de recuperação.

“São realizadas duas cirurgias: a retirada do retalho que se assemelha a uma abdominoplastia e a reconstrução da mama. Isso porque a pele e gordura usadas são do abdômen, preservando veias e artérias que serão reimplantadas na mama que foi retirada.”, explica Ogawa.

Muitas vezes, e mais apropriadamente, a cirurgia DIEP pode ser feita logo após a retirada da mama, no mesmo dia, poupando assim a paciente de duas cirurgias.

“Realizamos em conjunto com cirurgião plástico e no momento de implantar a nova pele, são moldadas formas e tamanho, levando em consideração a estrutura da paciente e também o lado estético, que sabemos ser muito importante”, comenta o microcirurgião.

Vantagens da técnica

A técnica do DIEP, realizada hoje pelo Dr. Guilherme Ogawa em conjunto com um cirurgião plástico, utiliza a técnica microcirúrgica. Isso significa que o próprio tecido da paciente é transplantado do abdome para a mama o que apresenta aspecto mais natural e ainda oferece uma melhor recuperação no pós-operatório, já que poupa o sacrifício da musculatura utilizada nas técnicas atuais.

Dr. Guilherme Ogawa explica sobre as vantagens da técnica. “É importantíssimo salientar que a principal vantagem está em usar o tecido da própria paciente, eliminando assim o risco de rejeição ou mesmo novas neoplasias (cânceres) causadas por próteses de silicone.
Outra vantagem importante está no fato de no mesmo dia da mastectomia a paciente já pode realizar a reconstrução, causando menos impacto psicológico e social na vida da paciente”.

No DIEP, a paciente poderá realizar radioterapia sobre o retalho de pele caso seja indicado pelo mastologista ou oncologista, o que não é possível nos casos de colocação de próteses de silicone.

Não se pode deixar de citar também a vantagem da retirada de gordura do abdômen, que pode ser um bônus para mulheres que já buscavam pela diminuição da gordura na região.
“Para quem imaginava que uma técnica inovadora e que requer equipe altamente capacitada só poderia ser feita fora de Londrina, a boa notícia é que essa não é mais uma realidade, podemos realizar procedimentos complexos com o conforto e suporte de ter a família da paciente por perto”, finaliza Guilherme.

Para conhecer mais do trabalho do Dr. Guilherme Ogawa, visite: www.facebook.com/drguilhermeogawa e www.instagram.com/drguilhermeogawa

Website: http://www.guilhermeogawa.com.br