João Bosco (da dupla com Vinícius) e Gabi Fernandes gravam versão de Shallow

Eles gravaram uma versão intitulada Mundo Falso

João Bosco (da dupla com Vinícius) e Gabi Fernandes gravam versão de ShallowPublicado em 22 maio, 2019 - 1:43 por Redação BR

Em Ribeirão Preto, foram os sertanejos João Bosco (da dupla com Vinícius) e Gabi Fernandes que apostaram na tradução da música Shallow, ganhadora do Oscar de melhor canção original em 2019 e trilha sonora do filme “Nasce uma Estrela”.

A adaptação, escrita e gravada pelo veterano, foi idealizada no final de janeiro, antes mesmo da versão oficial brasileira, intitulada Juntos, ser lançada. Esta viralizou na internet por conta da mistura de idiomas no refrão e, no final de semana passado, foi um dos assuntos mais comentados no Twitter.

“Receber o convite foi uma surpresa enorme. O João teve a ideia e pediu para eu gravar a guia para ver como ficaria na voz feminina. Ele gostou e nós fomos oficialmente para o estúdio, em São Paulo, no início de fevereiro”, conta a artista ribeirão-pretana.

Leia Também  Ivete Sangalo e outros cantores participaram da gravação do DVD de Dilsinho no RJ

Mundo Falso, que também ganhou um clipe em preto e branco, já havia alcançado mais de cinco mil visualizações no Youtube em aproximadamente um mês. Após a repercussão em torno da última performance, os números dispararam e ultrapassaram 70 mil players na mesma plataforma.

“Sou cantora profissional há 10 anos e tenho planos de construir carreira nacional. Acredito que essa parceria, além da amizade, vai me abrir portas”, completa Gabi.

A equipe de João Bosco também foi procurada pelo redação para comentar a criação e composição da letra, que segue trechos traduzidos à risco da original e outros adaptados, mas, até a publicação desta matéria, não obteve retorno.

Juntos e Shallow Now

Sobre a musica de Paula Fernandes com Luan Santana, Gabi acredita que o posicionamento da sertaneja em relação às críticas foi coerente e também serviu para recoloca-la no mercado musical.

Leia Também  Famosos capricham no look para a 23ª edição da Parada do Orgulho LGBTQ+

“Opiniões vão surgir de qualquer forma. Isso é inevitável. Eu sempre fui receosa nessa questão de abrasileirar músicas de outro idioma, porque as pessoas já escutam com um senso crítico mais alto. A minha primeira experiência, porém, foi extremamente positiva”, diz.

Além das duas versões citadas da reportagem, ao menos outras sete já foram gravadas em diversas regiões do País e nos mais diversos ritmos.

Foto: Reprodução