Nanny People comove fãs ao reencontrar o irmão no Encontro


Em momento comovente, atriz foi surpreendida pelo irmão que relembrou o passado

Nanny People comove fãs ao reencontrar o irmão no EncontroPublicado por Marcus Lehman em 9 jan, 2020 - 16:52 - Foto:Reprodução

A atriz Nanny People foi às lágrimas ao reencontrar o irmão no palco do Encontro desta quinta-feira (9).

No quadro “TBT do Encontro”, ela relembrou a relação com o irmão mais velho, João.

“Vocês não têm ideia do que esse homem é. Com doze, treze anos, ele foi trabalhar de mensageiro de hotel. Fui a única dos filhos que conseguiu estudar em escola particular…”, disse. “Ele é um homem íntegro, muito dedicado à família. Falo muito com ele, a gente tem uma ligação”, completou a atriz.

João então contou detalhes da relação com a irmã e relembrou histórias da infância difícil, mas feliz.

“Quando ela começou, por ser o irmão mais velho, tinha que tomar a frente da casa, né? Tudo era eu que ajudava a decidir, assumia as responsabilidades… Ajudei a pagar a escola dela, comprar o material. Depois, levava para jantar. Hoje, as coisas mudaram. Eu a levava em restaurantes modestos e agora ela me leva a restaurantes mais sofisticados. Ela já retribuiu muito mais do que já fiz. Ela é uma pessoa fantástica. Da família é a pessoa que mais tenho ligação, até me emociono ao falar. Amo essa mulher”, falou João, sem conter as lágrimas.

Nanny relembrou que, no passado, ele foi um dos grandes incentivadores de sua veia artística. Segundo ela, os momentos de cumplicidade que os dois viveram foram fundamentais em sua carreira.

“Quando comecei no Carnaval, aos 18 anos, saia toda montada de mulher no Clube da Caldense. Eu procurava saber quando ele ia para não ir, porque tinha vergonha de ficar perto dele. Teve um dia que ele estava de um lado e eu ficava correndo no salão para ele não me ver. Tô falando de 40 anos atrás, então era uma complicação. Minha mãe me aceitava e as pessoas se assustavam com isso. Ele veio e me pegou pela cintura e deu uma volta no salão como quem diz: ‘É minha irmã, tá comigo e aceito como ela é’. Isso para mim foi libertador”, disse ela.