Mulheres em Flow fala sobre violência contra mulheres


O programa Mulheres em Flow teve esclarecimentos das psicólogas Rosangela Sampaio e Deise Moraes sobre violência contra mulheres por mais de uma hora ao vivo

Mulheres em Flow fala sobre violência contra mulheresPublicado por Vanessa Haddad em 6 abr, 2020 - 08:33 / Creditos

Segundo dito durante o programa do dia 31/03,  a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres houve um aumento de 17% no número de denúncias registradas pela plataforma no comparativo do começo e do fim do mês de março, período marcado por determinações de afastamento social em estados e municípios.

De acordo com , apresentadora do programa Mulheres em Flow, que também é psicóloga, é comum nas relações amorosas haver discussões.

“Afinal, quando não se está de acordo com alguém, argumentar, mesmo que de forma veemente, é um modo de reconhecer o outro, de levar em conta que ele existe. Agora, quando falamos de violência, a conversa muda o rumo: o outro é impedido de se expressar, não existe diálogo”, pontua.

Então, pensando em ajudar ainda mais quem passa por essa situação de vulnerabilidade, convidou a também psicóloga Deise Moraes e, juntas, fizeram um programa ao vivo esclarecendo dúvidas sobre o tema por mais de uma hora.

Isso porque, ainda nesse ano, ambas lanças como coordenadoras editoriais o livro “”, que fala exatamente sobre esse tema: a violência contra a mulher.

Se você quiser conferir o vídeo do programa, CLIQUE AQUI.

O programa Mulheres em Flow trouxe um pouco do que será a obra, com previsão de lançamento no primeiro semestre de 2020

Mulheres em Flow – um programa para que a mulher se conecte com ela mesma

Com a proposta de ajudar ao público feminino em todos os sentidos, principalmente extraindo o melhor que as mulheres tenham dentro de si, o programa vai ao ar todas as terças, ao meio-dia, ao vivo pela Rádio Exclusiva FM.

Para quem está passando por , Rosangela Sampaio deixa algumas dicas de ferramentas essenciais para reverter a situação:

  • Recupere o seu poder e construa a sua autonomia: observe a sua vida e os desafios que você enfrenta, as suas idas e vindas diárias, quais situações fornecem potencial máximo para que você recupere seu poder e conquiste sua autonomia?
  • Esforce-se: olhe para dentro, seja honesta. Será que você mesma não está criando suas dificuldades? Prepare-se para se reconectar com você e se tornar uma pessoa verdadeiramente plena;
  • Seja tolerante com você: a tolerância é um ponto central, pois resulta na dignidade humana. Olhe com gentileza amorosa para você, eis a forma mais elevada de respeito e amor consigo mesma;
  • Nunca seja uma vítima: o que preciso aprender com esta experiência? Quais são as lições da vida que preciso assimilar? Se isto está acontecendo comigo, então, como sou responsável pelo que estou passando? Qual meu papel nessa peça?
  • Construa a sua felicidade, senão…: reconheça o valor de voltar a sorrir, reconstrua a sua vida com bases sólidas e apodere-se do que você deseja e merece;
  • Busque ajuda sim: procure grupos de mulheres que passam pela mesma situação que você, afinal, você não está sozinha. Consulte profissionais competentes, que possam de fato lhe orientar no processo, tais como psicólogos, assistentes sociais, advogados e delegacias especializadas em crimes contra a mulher.

“A informação e a atitude são ferramentas poderosas, por isso, saiba sobre os seus direitos, como agir da melhor maneira possível e sim, mude o percurso da sua história”, finaliza Rosangela.

(Via Assessoria de Imprensa – Priscilla Silvestre)