23/03/2018

Morre Miranda, produtor e ‘olheiro’ fundamental do rock brasileiro

Morre Miranda, produtor e ‘olheiro’ fundamental do rock brasileiroPublicado em 23 mar, 2018 - 9:33 por Redação BR

Ele sabia como poucos reconhecer o talento em bandas que buscavam intersecções, e não uma versão purista do estilo.

O rock brasileiro já viveu dias melhores. Na noite desta quinta-feira 22, morreu, aos 56 anos, Carlos Eduardo Miranda, produtor musical que descobriu e moldou alguns dos maiores talentos do estilo no País.

Reconhecido pelo grande público como jurado do programa Ídolos, do SBT, e por trabalhos com nomes de sucesso comercial como Raimundos, O Rappa e Skank, Miranda foi principalmente uma ponte para o rock independente nacional tentar, e muitas vezes conseguir, furar as bolhas e os padrões repetitivos da indústria musical.

Sua morte, ocasionada por um mal súbito, deixa vários artistas e fãs brasileiros órfãos de uma referência na descoberta e na criação da trilha sonora de diversas gerações.

A capacidade de Miranda em reconhecer potencial revelou-se inicialmente nos textos sobre bandas independentes que escrevia para a extinta revista Bizz. Ao menos duas cenas musicais brasileiras o impressionaram naqueles anos: o manguebeat de Pernambuco e a segunda onda do Rock de Brasília.

Em 1994, o produtor criou junto com integrantes dos Titãs o Banguela Records, ligado à Warner Music Brasil. Apesar de integrar uma grande gravadora, o selo apostou em bandas que em nada pareciam com os grupos da década anterior. Às vezes introspectivo, às vezes político, o rock no início dos anos 1980 no Brasil era mais apegado a influências estrangeiras. Renato Russo não negava sua inspiração em Ian Curtis, do Joy Division. A Plebe Rude reverenciava The Clash. O Ira! lembrava muito The Jam.

Leia Também  “Sei que estou sendo ousado em cantar sertanejo” revela Léo Santana sobre “Inovando” seu mais novo EP

As bandas de 1994 descobertas pelo Banguela pareciam-se menos com suas referências. Para além das letras, o rock brasileiro encontrava uma nova cara ao rejeitar a pureza de seus formatos tradicionais. No Distrito Federal e Pernambuco, o que unia bandas era sua capacidade de ampliar as fronteiras do estilo.

Enquanto o manguebeat sentia-se livre pra fundir inúmeras referências de rock internacional e brasileiro com o maracatu, as bandas do Distrito Federal também não tinham qualquer pudor. Era o rock com reggae do Maskavo Roots. O rock com baião do Raimundos. O rock com ainda mais rock do Little Quail and The Madbirds. Havia bom humor, letras sacanas, uma certa dose de machismo e misoginia típica daqueles anos, mas acima de tudo liberdade criativa. Eram bandas que não queriam ser “cabeça” como foi a geração de Renato Russo.

Miranda percebeu que as duas cenas poderiam furar a bolha do mainstream em 1994. De Brasília, o Banguela Records gravou Maskavo, Little Quail e Raimundos. Do manguebeat, lançou Mundo Livre S/A, possivelmente a principal referência do movimento depois da Nação Zumbi de Chico Science. No selo, ele ainda destacaria dois grandes nomes do rock de Porto Alegre, sua terra natal: Flávio Basso, o Júpiter Maçã, que morreu em dezembro de 2015, e a Graforréia Xilarmônica de Frank Jorge.

Leia Também  Vera Fisher faz participação em clip do grupo Imaginasamba

O Banguela Records fechou suas atividades em 1995, mas Miranda continuou a construir pontes fundamentais para o rock independente. Em 2004, ele foi o primeiro diretor do site Trama Virtual, de João Marcelo Boscôli. A plataforma foi fundamental para a descoberta de notáveis bandas daquela década, como Vanguart, Superguidis, Los Porongas e tantas outras. O projeto foi um dos pilares da cena independente dos anos 2000, assim como o circuito de festivais. Miranda continuava a trabalhar com grupos criativos, como Bois de Gerião, Móveis Colonais de Acaju e Nevilton.

O rock dos anos 2000 não foi tão reconhecido comercialmente como o da década anterior, mas muito de sua vitalidade insistente devia-se a iniciativas como a Trama Virtual e os aconselhamentos de Miranda, que estava sempre antenado em novidades. Em 2018, quando fábricas de guitarras históricas como a Gibson ameaçam falir e jovens parecem menos interessados em formar bandas, o rock brasileiro perde um de seus maiores olheiros e entusiastas.

Foto: Divulgação Carta Capital

Sem categoria