Ludmilla cancela show ao ser internada com lombalgia

Ludmila também cancelou sua participação no quadro “Show dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”, na TV Globo, neste domingo, 12.

Ludmilla cancela show ao ser internada com lombalgiaPublicado em 11 maio, 2019 - 22:10 por Redação BR

Com complicações na coluna, fruto de uma lombalgia aguda, a cantora Ludmilla cancelou dois shows que faria em Lorena e Cruzeiro, no interior de São Paulo, neste final de semana, além de sua participação no quadro “Show dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”, na TV Globo, neste domingo, 12.

Até a manhã do domingo, a cantora estava internada com um quadro de lombalgia, dor intensa na  região lombar da coluna. A assessoria realizou um comunicado aos fãs informando o problema. Ela foi transferida para um hospital no Rio de Janeiro, para novos exames.

Entenda o que é lombalgia:

Conhecida também como lombalgia, a dor na lombar não é considerada uma doença, e sim um sintoma de um problema maior na coluna, que pode ser crônico ou não. No Brasil, cerca de 13% da população sofre de lombalgia, a segunda condição de saúde mais comum no país, ficando atrás apenas de hipertensão arterial.

Leia Também  ExBBB Ana Clara surge bela em Paris de férias

OSTEOPATIA: CONHEÇA O TRATAMENTO ALTERNATIVO PARA DORES NA COLUNA

Há dois tipos de lombalgia: aguda e crônica. A aguda é quando a dor tem duração de quatro a seis semanas e a crônica é quando os sintomas extrapolam 12 semanas. Cerca de 65-90% dos adultos sofrerão um episódio de lombalgia aguda ao longo da vida, com pico de incidência ocorrendo entre os 35-55 anos de idade.

CORRIJA SUA POSTURA EM VÁRIAS SITUAÇÕES DO DIA A DIA

Leia Também  Ludmilla e namorada combinam look no Dia dos Namorados

As lombalgias agudas geralmente ocorrem após um esforço físico excessivo levando o paciente a sentir uma sensação de coluna travada. Cerca de 90% dos pacientes com dor lombar aguda apresentam melhora da dor em 4 semanas e apenas 2-7% evoluirão para sua forma crônica.

A dor crônica ocorre em qualquer idade e em aproximadamente 75-85% dos pacientes que se afastam do trabalho ela se torna recorrente.