19/07/2018

Lorenza Aildasani a idealizadora da Winner Idiomas, conta ‘Crise alterou o perfil dos estudantes de inglês’

Lorenza Aildasani a idealizadora da Winner Idiomas, conta ‘Crise alterou o perfil dos estudantes de inglês’

‘Crise alterou o perfil dos estudantes de inglês’, conta Lorenza Aildasani, idealizadora da Winner Idiomas

De acordo com a professora Lorenza Aildasani que se tornou referência no ensino da língua, antigamente a maioria das pessoas que queriam estudar inglês já dominavam o idioma, mas queriam mais aprimoramento, atualmente, além da faixa etária ser maior, as pessoas agora querem dominar o inglês para conseguir uma oportunidade no exterior, independente da qualificação.

Um dos principais efeitos da crise pela qual o Brasil está passando nos últimos anos é o desemprego e a sensação de instabilidade financeira. De acordo com Lorenza Aildasani, professora de inglês e idealizadora da Winner Idiomas, o perfil dos alunos que buscam a instituição vem mudando por conta da crise.

Sou preparadora de exames há muitos anos, há aproximadamente 18 anos, e antigamente eu tinha muitos alunos que chegavam para mim para fazer master degree, ou uma pós-graduação. Então, esses alunos vinham, faziam essa preparação comigo para daqui 2 anos voltarem para o Brasil. Esse perfil mudou completamente. Hoje, a maioria dos alunos que chegam para mim vêm com a intenção é: ‘vou morar fora e vou trabalhar lá com o que der. Se precisar ser garçom, ele vai ser. Isso mudou bastante, principalmente nesses últimos dois anos”, conta.

Lorena fala também sobre a importância de um educador de inglês conhecer o objetivo de seu aluno. Segundo ela, a preparação de um aluno que quer aprender inglês porque quer morar fora logo é totalmente diferente do ensinamento de um aluno que não tem a intenção de morar fora e só buscou a aula para se aperfeiçoar.

A preparação para um aluno que quer fazer um exame, seja IELTS ou um TOEFL, que ele vai usar para aplicar em uma universidade ou em uma oportunidade de trabalho, ele precisa já ter algum nível de inglês. As vezes eu dou aula até em português, preparo os alunos para terem notas altíssimas, mas preparo em português, como se fosse aula de cursinho mesmo. Já com um aluno que nos procura para aperfeiçoar o idioma aí sim a aula é 100% em inglês, pois o meu foco é fazer com que o aluno saia fluente em inglês”.

A professora conta ainda que o a faixa-etária dos estudantes de sua escola mudou:Cada vez mais as pessoas que nos procuram são mais velhas. Antigamente eu tinha alunos de 19, 20, 21, 22 anos e agora tenho de 30, 35, 40 anos. São alunos que já estão no mercado de trabalho procurando aperfeiçoamento na língua, além de uma parcela de alunos que têm dificuldade de aprendizagem e que nos procuram para desbloqueio ou quem quer ir morar fora e trabalhar por lá”.

Sobre Lorenza Aildasani

Quem pensa que a vocação de teacher veio porque Lorenza sempre teve facilidade com a língua estrangeira, está enganado. Foi depois de sofrer um ‘mini bullying’, como ela mesma define, na infância, que Lorenza se esforçou para aprender sem novos traumas e com uma metodologia correta. Quando se encontrou no inglês, aos 13 anos, já sabia qual seria sua profissão. 

Eu tenho 42 anos e lembro até hoje de como me traumatizei pela dificuldade em falar inglês. Na quinta série uma professora me pediu para ler um trecho de um livro e eu li a palavra ‘tomorrow’ com uma pronuncia incorreta. Naquele minuto a professora deu um pequeno sorriso de lábio. Ela não riu da minha cara, mas a sala toda caiu na risada. Por uma semana meu apelido passou a ser ‘tomorrow’ na escola, e esta mesma professora conversou com a minha mãe e a incentivou me matricular em uma escola para aprender a língua inglesa”, relembra Lorenza, que dos 13 aos 15 anos, fez aulas em grupo em uma famosa escola, depois fez um intercâmbio em Chicago, e desafiou-se ao aprendizado: “Fazia inglês de segunda a quinta, das 20h às 21h30, numa turma de adultos. A pessoa mais próxima da minha idade tinha 35 anos. Pensei que ia ser engolida, mas consegui aprender.”

Hoje em dia, após ter vivido na pele experiências com métodos que não encaixavam com seu aprendizado, e depois ter dado aulas de inglês em outras escolas das quais também notava-se a não dedicação personalizada ao aluno, Lorenza comemora ter criado a Winner Idiomas em 2001, e quer que cada dia mais pessoas se deem a oportunidade em aprender inglês sem ‘fórmulas mágicas’ e com professores verdadeiramente capacitados. 

Abri minha escola ao notar que o aprendizado dos meus alunos, em outras escolas, não acontecia devido ao método lá aplicado. Precisava fazer alguma coisa. Na Winner eu aplico um teste comportamental para a pessoa e identifico, por meio de técnica de coaching, qual o melhor aprendizado. Ensino de adulto não funciona em grupo, não adianta. Tem que ter aula individual e com um professor que saiba o que está fazendo”, explica ela.