Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa



Exposição Fotográfica Calçada PortuguesaPublicado por Redação BR em 26 jan, 2019 - 15:37 -

A calçada portuguesa ou mosaico português ou ainda pedra portuguesa é o nome consagrado de um determinado tipo de revestimento de piso utilizado especialmente na pavimentação de passeios , de espaços públicos ou privados.

De início, a pedra portuguesa foi usada como lastro dos navios que partiam de Portugal desde o século XV em busca de sonhos, especiarias e descobertas, para garantir a estabilidade da navegação. Depois, já em meados do século XIX, tomou a forma de calcetamento de praças e passeios públicos. O primeiro uso teria sido no Castelo de São Jorge, em Lisboa. Pedras com formato irregular, geralmente em calcário branco e negro, usadas para formar padrões decorativos ou mosaicos pelo contraste entre as duas cores. Logo se percebeu a harmonia estética desse jogo de cores, o preto e o branco, mais tradicionais, embora depois tivessem ficado populares também o vermelho , o azul, o cinza e o amarelo. Na sequência do sucesso no Castelo de São Jorge veio a Praça do Rossio, também em Lisboa. Movimentos sinuosos do calcário branco e preto formavam ondas, o Mar Largo, a prestar culto e homenagem aos descobrimentos e a seus heróis.

A calçada portuguesa rapidamente se espalhou em Portugal e pelas “colônias”, subjacente a um ideal de moda e de bom gosto, tendo-se apurado o sentido artístico, que foi aliado a um conceito de funcionalidade, originando autênticas obras-primas nas zonas pedestres. Daqui, bastou somente mais um passo, para que esta arte ultrapassasse fronteiras, sendo solicitados mestres calceteiros portugueses para executar e ensinar estes trabalhos no estrangeiro.

Em certas regiões brasileiras é possível encontrar pedras em azul e verde. A sua aplicação pode ser apreciada em projetos como o do Largo de São Sebastião, construído em Manaus no ano de 1901, o famoso calçadão da Praia de Copacabana , no passeio e no e interior da Galeria do Conjunto Nacional na Av. Paulista e no Parque da Independência no Ipiranga bem como ainda no chamado “Centro Velho” da cidade de São Paulo. Mas a pedra portuguesa não é só um revestimento. Para logo se viu a oportunidade da pedra de calçada portuguesa na arte, no design, na publicidade.

Na poesia…

“Quando as calçadas alcançaram as estrelas e as pedras

conquistaram os oceanos, formaram-se estes majestosos

caminhos…” (Ernesto Matos)

 

E imortalizadas na voz de Amália Rodrigues:

“Vai de corações ao alto nasce a lua

E a marcha segue contente

As perinhas de basalto cá da rua

Nem sentem passar a gente.”

(Lá vai Lisboa – Norberto Araújo e Raul Ferrão)

A mandala em pedras brancas e pretas é uma linda homenagem da cidade de Nápoles a John Lennon, e da cidade de Nova Iorque que a hospeda no chão perto do Central Park, tendo ao centro a inscrição “IMAGINE”… Em 1986 , foi criada uma escola para calceteiros (a Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa), situada na Quinta do Conde dos Arcos e atualmente a calçada portuguesa é candidata à Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, cuja candidatura foi apresentada pela cidade de Lisboa em Outubro de 2016 e está em fase de análise na UNESCO.

Tendo em vista a evidência que a calçada portuguesa tem como símbolo nacional de grande valor patrimonial, encontrado também em diversas cidades brasileiras, a Casa de Portugal convidou a fotógrafa luso-brasileira Catarina Machado para fazer uma recolha de imagens com a finalidade de constituir um acervo para compor uma exposição fotográfica itinerante no decorrer de 2019.

Leia Também  Audições do Musical Dona Ivone Lara

As fotos foram recolhidas em Outubro de 2018 e após a seleção a exposição será constituída por 20 peças (formato 39×55 cm), sendo 18 imagens que focalizam a calçada em diversas localidades portuguesas e 2 captadas na cidade de São Paulo; uma no Parque da Independência no Ipiranga e a segunda na Galeria do Conjunto Nacional na Av. Paulista.

Considerando a recente parceria entre a Casa de Portugal e o Conjunto Nacional, localizado no único quarteirão da Avenida Paulista em que sobreviveu a calçada portuguesa, a exposição “Calçada Portuguesa” ficará aberta ao público entre 5 e 25 de Fevereiro na Galeria do Conjunto Nacional, Nacional seguindo depois um calendário itinerante por várias associações luso-brasileiras em diversos estados brasileiros com o apoio dos respectivos Consulados de Portugal locais. Esta iniciativa é uma promoção conjunta da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional com o apoio da Associação Paulista Viva e do Consulado Geral de Portugal em São Paulo, registrando-se o patrocínio da TAP, da Caixa Geral de Depósitos, e da EDP (patrocinadores da Casa) e do Grupo Fátima Hotels e Hotel Mundial Lisboa, parceiros que apoiaram a recolha das imagens em Portugal.

A fotógrafa Catarina Machado nasceu em São Paulo em 1998 e desde muito pequena demonstrou suas aptidões para a fotografia capturando paisagens em suas viagens. Foi aluna do Colégio Guilherme Dumont Villares no Morumbi, concluiu o curso de Fotografia do Centro Universitário Belas Artes e atualmente é aluna do IIF – Instituto Internacional de Fotografia. Ela foi autora da exposição “Bancos – Contemplar e Integrar” que já esteve patente ao público na Galeria da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional e que em breve estará disponível em várias estações do Metrô de São Paulo.

Nesta exposição, Catarina fotografou calçadas durante 25 dias em várias localidades de Portugal (praças, ruas e parques) nos mais variados enquadramentos. A fotógrafa revela que, “desde que a calçada portuguesa é candidata ao título de patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO, despertou em mim um olhar mais criterioso e ao mesmo tempo poético sobre o assunto. Descobri que em várias cidades do mundo há belos exemplares de calçada portuguesa e quis aproveitar a minha viagem a Portugal para focalizar esse tema nas suas mais variáveis aplicações. Como esta exposição se insere no calendário cultural da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional na Av. Paulista, decidi incluir também duas imagens que representam muito bem a calçada portuguesa em São Paulo, uma delas no próprio Conjunto Nacional, único espaço na Paulista onde a calçada resistiu a recentes intervenções urbanas e no Parque da Independência no bairro do Ipiranga.”

O curador Belisário dos Santos Jr. é advogado, Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco da Universidade de São Paulo – USP, com curso de mestrado em Legislação Penal Especial (USP). Produtor teatral, possui ainda especialização em Direito Administrativo pela PUC/SP. Foi procurador autárquico do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, de 1972 a 1998. Integrou o Conselho Penitenciário do Estado de São Paulo, representando a OAB-SP. Foi membro da Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Ocupou ainda o cargo de Presidente da Associação de Advogados Latino-Americanos pela Defesa dos Direitos Humanos. Foi Secretário de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo (1995/2000) e Secretário da Administração Penitenciária do Estado (1995). Hoje é membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo. Integra o Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta (TV Cultura) e da Fundação Mário Covas. É membro, representando o Brasil, da Comissão Internacional de Juristas, com sede em Genebra. É diretor do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (CESA) e diretor da Casa de Portugal.

Fotógrafa: Catarina Machado

Curador: Belisário dos Santos Jr.

 

Leia Também  Circo da Turma da Mônica resgata tradição circense em superprodução teatral

SERVIÇO:

Exposição Fotográfica “Calçada Portuguesa”

de 5 a 25 de Feveriro – Galeria do Conjunto Nacional

Av. Paulista, 2073 – Térreo

Segunda a Sexta das 07:00 às 22:00 hs

Sábados e Domingos das 10:00 às 22:00 hs

Entrada Grátis

Informações: (11) 3273-555 – [email protected]

 

 

Sem categoria