Entrevista: Arêas desponta no pop e fala sobre música

Cantor carioca apresenta seu “poc-street-futurista”.

Entrevista: Arêas desponta no pop e fala sobre músicaPublicado em 22 abr, 2019 - 13:11 por Daniel Outlander

Será que é possível misturar Anitta, Demi Lovatto e Baile da Gaiola? O cantor Arêas prova que sim, ao juntar o pop e o funk acelerado a 150 BPM no clipe futurístico de “Não adianta implorar”. Com produção musical do DJ 2F, da CDD, que já assinou hits como “Hoje vou brotar na tua base”, e com produção audiovisual do Victor Cantuária, o clipe tem a direção e coreografia de João Victor Pessanha e é uma produção geral do selo Outro Nível.

Esse trabalho é mais uma prova da versatilidade do cantor, e toda essa mistura ainda aponta para sua marca como artista: ser ousado.

Em entrevista exclusiva ao EGO Brazil, o cantor carioca conversou sobre sua carreira, novos passos, e falou sobre seu estilo, que é definido como “poc-street-futurista”. Venha entender:

EGO: Você é um artista novo, mas que já demonstra grande potencial. O que te anima ao subir num palco ou produzir um novo trabalho?

ARÊAS: Hahahahaha, aí que ótimo ler isso, obrigado! Olha, o que me anima nisso tudo, com certeza é o fato de estar fazendo/lutando por um sonho tão reprimido durante anos. Muitas vezes ouvimos que, possivelmente, não iremos conseguir fazer por conta de condição financeira ou por simplesmente duvidarem de você, então o que mais me anima é estar fazendo o que amo, que me dar prazer sentimental e caso tudo der certo, mostrar que nada é impossível.

EGO: Sua recém-lançada faixa, “Não Adianta Implorar”, conta com um clipe bastante expressivo, e participação de algumas drags conhecidas no Rio de Janeiro. Como surgiu a ideia de chamá-las para este trabalho?

ARÊAS: No meu primeiro clipe, “Descendo Devagar”, eu já tinha muita vontade de ter drags participando do clipe, mas infelizmente o local era muito longe e contávamos poucos recursos. Além de ter convívio com esse meio, eu já me montei, e é impossível não dar condições mínimas (deslocamento descente, local bem arejado por conta das maquiagens e roupas, etc) então escolhi deixar essa vontade para ser realizada no próximo, que foi em “Não Adianta Implorar”. Amo demais essa arte! Nem tudo é beleza e glamour, existe muito sacrifício por trás de toda aquela beleza. Farei de tudo para estarem sempre comigo.

Leia Também  Wesley Safadão comanda palco na Festa do Peão de Hortolândia

EGO: E você dança no clipe. Este é um trabalho confortável pra você, ou dançar é algo extremamente complexo

ARÊAS: Socorro! (Risos). Gente, eu amo dançar. Resumindo, eu amo rebolar. Sabe aquele vídeo da menina que faz tudo rebolando? Ele me descreve! (Risos). Sempre dancei muito em todas as festas que vou, nunca fui o que fica no canto olhando a festa ao redor. Mas nunca fiz aula de dança, então foi confortável por estar fazendo algo que gosto.

EGO: Você define sua estética como “poc-street-futurística”. O que seria isso?

ARÊAS: Eu amo uma poc, eu amo ser poc. Amo o fato de se vestir da forma que quiser, se expressar da forma que quiser, ser o que você quiser. Essa questão do “poc-street-futurística” foi uma brincadeira que fizemos no set, mas que na verdade tem TUDO a ver. Pro clipe, nos inspiramos em uma estética futurística, usando roupas e acessórios que tivesse ligação com isso, nos inspiramos em trabalhos já feitos por Lady Gaga, Beyoncé, Katy Perry… Acho lindo demais. Então, já que sou “poc”, usamos referências de artes de rua “Street” como a roupa com estampa escrito “Arêas” e com estética futurística, porque não juntar tudo? Hahahahaha.

Leia Também  Art Popular abre a programação do Arena Sunset

EGO: Você traz como referências musicais artistas completamente diferentes, desde Demi Lovato a Anitta. Como essas artistas tão distintas fizeram você encontrar sua própria voz?

ARÊAS: Eu sempre fui fã da Demi Lovato. Juro, sou fã dela há aproximadamente 11 anos. No meu Facebook e em qualquer rede social, tem lembranças de postagens de anos e eu literalmente parecia viver só pra Demi Lovato, era fanático real. Já Anitta, eu sempre amei demais o trabalho dela, lembro até mesmo que na época que era modinha odiar a mesma, eu sempre estive nas redes sociais defendendo e elogiando. Lembro até de uma postagem no Facebook de eu comemorando a primeira ida dela ao programa “Esquenta”. Que doido, né? (risos). Hoje eu sou fã da Anitta, assim como sou fã da Demi Lovato, então Anitta acabou ligando ao meu estilo musical favorito “Pop/Funk” e o fato de rebolar, já falei que amo rebolar né? (Risos), e toda a questão de ser uma artista brasileira totalmente talentosíssima e inteligente. Demi Lovato remete tudo o que eu passei quando era mais novo, consumi o trabalho dela na minha vida desde criança até adulto, eu amo artistas internacionais e não seria diferente com a minha ídola, amava o POP/ROCK no início, amo o POP de agora.