09/09/2018

Juliana Rast é vítima de discriminação em boate no México.

Juliana Rast é vítima de discriminação em boate no México.

Discriminação em uma boate no México

Tudo começou depois de um uma semana estressante no México, por motivos de meus problemas crônicos de saúde neuralgia dos trigêmeos, finalmente fiz amizade e fui convidada por colegas para uma discoteca, adoro sair, mas não é sempre que minha condição de saúde permite. Finalmente, me senti motivada e fui a tal discoteca, de nome La Santa. Assim que cheguei em frente da discoteca, percebi que as duas hostes me olhavam de uma maneira ofensiva, me olhavam e falavam algo entre si, não havia entendido o porque, até que uma delas se dirigiu a um colega e disse que ele, juntamente com seus amigos, poderiam entrar mais eu não… Eu que nunca estive nessa discoteca me senti completamente mal, não vi uma razão imediata para isso na hora, depois minha ficha caiu e minha cara foi no chão… Não vi razão para que elas se entreolharem e rissem de mim, e fiquei chocada, pela maneira em que se pronunciaram. Logo um amigo foi falar, perguntar o porquê, se havia um motivo e pasmem o motivo era minha roupa… Ou na verdade era um motivo escolhido por elas, estava usando um macaquinho com decote e uma longa capa até o chão e um casaco longo.

Não havia nenhuma restrição quanto ao traje para frequentar esse night club, respeito muito as formalidades e também sei que todo ambiente tem suas próprias regras… Eu estou de viagem no México, não em um País Árabe… Claro que se vou para qualquer lugar do mundo e me comporto exatamente como manda o figurino… No México foi diferente disso. Em nenhuma momento minha roupa esteve vulgar, um pouco sexy sim, mas convenhamos ninguém vai para um night club totalmente coberta, evidentemente que cada lugar merece seu devido respeito, apesar da boate localizado na Av. Masaryk possuir esse nome, muitas meninas que trabalhavam promovendo ou que frequentavam o espaço, se vestiam sim de maneira sexy, e não há nada de anormal nisso. Até porque ninguém deve ser descriminado pela roupa que veste… No dia seguinte contei o episódio a um amigo Mexicano que logo me deu o número de seu amigo que segundo ele era gerente da tal boate, escrevi para ele, falei do  ocorrido, de que gostaria de ir a boate, que queria levar os colegas que havia conhecido. Ele foi atencioso, me pediu desculpas e me pediu o numero de pessoas que queria levar, até ai tudo ok… No dia seguinte fui para a mesma boate e as mesmas hostes fizeram o mesmo, ai então percebi então que a questão não era minha roupa, pois no dia seguinte fui mais comportada possível… Ai vi que havia algo maior e pessoal, às vezes mulheres descriminam mulheres, ou as tratam mal simplesmente por se sentirem superiores. Elas nem sequer se deram o trabalho de falar com o gerente, ou de checar a lista, era uma descriminação gratuita, um jeito superior de meninas que trabalham na frente de uma boate, que as vezes se sentem como donas do estabelecimento… E olha só que ego insignificante, eu fico imaginando se pessoas como essas tivessem poder de verdade… E analisando quantas pessoas são julgadas por sua aparência física ou vestimenta… No meu caso senti como uma reação feminina, mesquinha, que mulheres podem ver outras como rivais eu já sabia, pois sempre passei por situações semelhantes, mas dessa vez resolvi fazer algo…

 

Estamos vivendo numa época diferente, que nós mulheres aprendemos a conviver e amarmos umas às outras e nos colocarmos no lugar uma das outras… Tenho certeza de que nenhuma das duas gostariam de serem tratadas assim… Eu poderia me expor de outra maneira, mas decidi buscar meus direitos junto à procuradoria geral da justiça do México… Há momentos e momentos na vida, sei que isso parece um assunto supérfluo, mas não é quando você se sente descriminada, sem saber de verdade o porque… Aliás, não existe um porque, sei que muitas pessoas não se pronuncia quando são vítimas desse tipo de atitude, por serem gordas, por não terem a aparência ideal dentro da conjuntura estética atual ou financeira.

MULHERES DEVEMOS PARAR DE NOS GLADIAR… COMEÇARMOS A NOS COLOCAR UMA NO LUGAR DA OUTRA… ASSIM APRENDEREMOS COMO TRATAR A MULHER DO LADO.

 

 

Divulgação