18/09/2018

Campinas ganha seu primeiro makerspace

Campinas ganha seu primeiro makerspace

A região de Campinas acaba de ganhar seu primeiro makerspace aberto ao público. O espaço, chamado Cyborg Makerspace, incentiva o “fazer as próprias coisas”, o aprendizado com ciência, a convivência e a troca de experiências. Instalada em Barão Geraldo, a empresa é comandada pela professora aposentada do Instituto de Física da Unicamp (Universidade de Campinas), Maria Brasil, e pelo professor de Física, formado na Unicamp, Claudecir Biazoli.

Dentro do Cyborg, é possível participar de cursos e oficinas, além de usar uma das várias estações disponíveis. No local, há estrutura para desenvolver trabalhos de marcenaria, costura, artesanato, impressora 3D e robótica, entre outros. “É um espaço para as pessoas resgatarem o prazer de fazer suas coisas. Por exemplo, alguém que gosta de marcenaria pode vir aqui e utilizar nossa bancada e nossas ferramentas. Ela não precisa ter tudo isso em sua casa. O prazer de fazer acabou sendo esquecido e as pessoas estão tentando recuperar isso”, explica Maria.

Paralelamente, o makerspace desenvolve uma série cursos e oficinas que ensinam as pessoas a utilizarem a estrutura disponível no local. “Temos uma preocupação muito grande com a educação. Se uma pessoa quiser utilizar nosso espaço e não souber, poderá participar de um dos nossos cursos. Tudo é ensinado com base em ciência. Quando uma criança vem aqui e participa de uma oficina de robótica, por exemplo, ela não vai sair apenas sabendo fazer aquele determinado objeto. Ela vai aprender porque aquilo deu certo e quais são os conceitos que dão base para aquele resultado”, explica Biazoli.

O espaço tem atividades para crianças e adultos de todas as idades. “Aprender na prática é muito mais gostoso e eficiente. Nossos cursos e oficinas são de curta duração e elaborados para que sejam atrativos, com uma linguagem leve e clara, independentemente do grau de conhecimento do aluno. Inclusive, temos muitos cursos para quem está tendo contato pela primeira vez com aquele tema”, ressalta Biazoli.

O conceito de makerspace já está bem estruturado em outros países, mas começou a ser difundido recentemente no Brasil. “Nos Estados Unidos, por exemplo, quase toda biblioteca tem um espaço como este, em que crianças, jovens e adultos podem usar a imaginação e ter contato com diversos tipos de material. Aqui no Brasil, os primeiros makerspaces já começaram a surgir nas capitais. Campinas é uma cidade tecnológica, com grandes universidades e empresas voltadas para esta área. É muito importante que tenhamos um espaço como este, que é muito valorizado em países do primeiro mundo”, destaca Maria.

Para utilizar o makerspace é muito simples. É possível se tornar um associado e adquirir créditos que correspondem a períodos de utilização da estrutura do local. Já para as oficinas e cursos, basta fazer inscrição antecipada no site.

O Cyborg Markerspace fica na R. Alzira de Águiar Aranha, 374, em Barão Geraldo, Campinas. A agenda de oficinas e cursos pode ser acessada pelo site www.cyborgmakerspace.com.br ou pelas redes sociais do espaço.

Capovilla Comunicação