Baile do Saddam celebra dois anos no RJ

Evento acontece toda primeira quinta-feira do mês

Baile do Saddam celebra dois anos no RJPublicado em 17 abr, 2019 - 19:33 por Rennan Leta

A 27ª edição do Baile do Saddam foi especial. Acontecendo toda primeira quinta-feira do mês, o baile Black mais democrático da Zona Sul comemorou dois anos de existência na boate Fosfobox, em Copacabana. Mais de 70 DJs já tocaram no evento, que teve duas edições fora do Rio com lotação esgotada.

O DJ Saddam, organizador do baile junto com o DJ ZEDOROQUE, foi quem inseriu a cultura Hip-Hop, com todos os seus elementos, nas boates da Zona Sul em 2003, a convite do empresário Cabbet Araújo, produtor da Bunker na época. Em 2006 a festa migrou para a Fosfobox, que ainda era 100% GLS, mas que abriu as portas para o DJ Saddam após a Bunker passar por uma reforma: “eu quebrei o paradigma justamente porque achava um absurdo as pessoas terem preconceito. Hoje em dia a minha festa tem a maioria do público hétero, mas é frequentada por gays que se sentem à vontade de vir aqui dançar, coisa que antigamente não acontecia. É democracia. Todas as pessoas que vêm aqui se divertir são bem-vindas”, conta o DJ.

Leia Também  Gabriel Scribel marca presença em gravação de DVD

Para Saddam, os DJs perderam espaço com as ascensões dos MC’s, virando apenas preenchedores de espaços nos eventos que antes eram protagonistas. O Baile do Saddam, segundo ele, surgiu como uma oportunidade de resgatar esse protagonismo: “muita gente que na década passada frequentava a Six, por exemplo, deixaram de frequentar. As pessoas com mais idade que não queriam assistir show, mas apenas chegar e dançar. Então a gente resgatou não só essa cultura, porém também o DJ como protagonista. Inclusive a gente não tem show de MCs. Apesar de casos como em Porto Alegre, onde a gente teve a participação muito especial do Marcelo D2, a gente não bota show. Os Mestres de Cerimônia somos nós mesmos. Apresentamos, nos comunicamos com o público. Eu e o Zedoroque”, explicou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Jan Sen

Representatividade no Baile

Entre os nomes de sucesso que já marcaram presença no Baile do Saddam, uma figura bem importante é o Corello DJ, o criador do termo ‘Charme’ para o estilo musical. Mas o Baile do Saddam é conhecido por dar espaço para todos os tipos de DJs em seu line up. As DJs Sarah Ferreira e Babi Gazal são exemplos da representatividade feminina presente no Baile do Saddam, que em março teve uma edição com o line apenas de mulheres. Sarah, que já tem mais de um ano como residente do baile, acha importante ter esse evento na Zona Sul da cidade: “eu visto a camisa, sou apaixonada, tenho muito orgulho de estar esse tempo de residência aqui. O Baile do Saddam consegue democratizar totalmente o processo, a cultura Black. Proporcionar um fácil acesso à cultura Black para quem mora na Zona Sul, em um espaço que tanto faz se você é de Madureira ou do Leblon, se é negro, branco, gay, hétero, não importa… aqui é todo mundo em prol da música Black. Ponto. É um espaço que ninguém julga ninguém, todo mundo se diverte, uma energia muito boa“, disse Sarah.

DJs Sarah Ferreira e Babi Gazal / Foto: Jan Sen

Anunciado como atração do palco New Dance Order do Rock in Rio 2019, no dia cinco de outubro, o Baile do Saddam projeta apresentações em novos lugares nesse novo ciclo. Em junho terá uma edição no Circo Crescer e Viver, na Cidade Nova. O evento já passou por Belo Horizonte e Porto Alegre, ambos com lotação esgotada: “Porto Alegre foi o maior público que o festival Budweiser Basement já teve, 3.500 pessoas, com a participação do D2”, concluiu o DJ Saddam.