Avaliação e Conduta Terapêutica será tema do II Encontro Brasileiro de RTA



Avaliação e Conduta Terapêutica será tema do II Encontro Brasileiro de RTAPublicado por Parceiro Dino em 23 set, 2019 - 14:17 -

23/9/2019 – Alterações da postura, do movimento e da relação com a vida fazem parte da doença respiratória e ao tratarmos destes aspectos estaremos tratando a enfermidade

O Método Reequilíbrio Toracoabdominal – RTA – tem disseminado uma forma de avaliação que inclui o sistema respiratório como um todo: partindo de um olhar focado nos pulmões e parede torácica e ampliando a visão de maneira integral.

A respiração é uma experiência corporificada, onde qualquer situação relacionada a ela se manifesta em todo o corpo. Aos médicos cabem abordagens nos aspectos químicos da respiração empregando medicamentos que possam auxiliar na retomada do funcionamento de parte do sistema respiratório.

Já aos fisioterapeutas cabe a parte mecânica que inclui posicionamentos corporais, movimentos ativos e ou auxiliados pelo terapeuta, uso de artefatos de sustentação de partes do corpo para gerar pressões respiratórias e manuseios que promovam alongamento e fortalecimento dos músculos respiratórios e ainda auxílio direto à respiração nas situações de dificuldade para respirar.

Também faz parte do tratamento, a correção e ou minimização de deformidades torácicas, a remoção de secreções pulmonares e o treinamento de funções relacionadas aos desejos do paciente.

Para tanto, o entendimento do funcionamento do corpo como um todo é primordial. “Afinal, temos um corpo que respira, não pulmões que respiram”, enfatiza Mariangela Pinheiro de Lima, fisioterapeuta idealizadora do método RTA.

“Assim, entendemos que alterações da postura, do movimento e da relação com a vida fazem parte da doença respiratória e ao tratarmos destes aspectos estaremos tratando a enfermidade”, revela.

A partir de uma avaliação profunda é possível construir uma terapêutica eficaz para cuidar de pacientes com idades e condições variadas.

A escolha do tema “Avaliação e Conduta Terapêutica” para o II Encontro Brasileiro de RTA baseia-se na urgência de uma percepção ampla das necessidades dos pacientes. Essas necessidades são identificadas através do conhecimento e interpretação:

• Da fisiologia e fisiopatologia do sistema respiratório;
• Da biomecânica respiratória normal e anormal
• Da interação das disfunções e doenças respiratórias com patologias e comportamentos relacionados a outros sistemas.

Aplicar o conhecimento de forma personalizada, reconhecendo em cada ser um ser único é premissa fundamental do Método RTA. Para isto, o profissional precisa ser treinado e incentivado desde o início de sua formação a aprofundar sua capacidade de avaliação e de escolha da terapêutica mais indicada para resgatar e manter a homeostase.

Durante o II ENCONTRO BRASILEIRO DE RTA, que acontece de 28 a 30 novembro de 2019, haverá interação entre profissionais da área da saúde, pacientes e familiares para a troca de conhecimentos e experiências mútuas na construção de desfechos cada vez mais positivos.

O método RTA habilita para um trabalho mais consciente e gentil, onde os pacientes com doenças respiratórias recebem tratamento com manuseio corporal suave e indolor. O método transformador cuida das pessoas de maneira leve e harmoniosa e hoje é praticado por mais de 03 mil fisioterapeutas em todo o Brasil.

Atualmente a técnica é utilizada no tratamento de milhares de pessoas em unidades de terapia intensiva, quartos e enfermarias hospitalares, além de atender também a pacientes tratados em casa (home care) e em consultórios.
A exigência da formação em RTA é crescente entre familiares, pacientes, hospitais e clínicas por todo o país.

“A gentileza é uma característica importante no tratamento porque o indivíduo que sofre da respiração é fundamentalmente uma pessoa cansada e todo o objetivo do tratamento é poupar e restaurar a energia, fazer com que ele fique equilibrado e mais tranquilo para, aos poucos, retomar ou desenvolver todas as atividades compatíveis com sua idade e seus desejos e atividades. Afinal, a fisioterapia é uma profissão de cuidado com o outro e que demanda compaixão e comprometimento”, destaca Mariangela.

O RTA ultrapassa os cuidados com os indivíduos que apresentam doenças respiratórias. Ele se aplica também às disfunções respiratórias geradas por estresse, alterações posturais, distúrbios neurológicos, cirurgias, refluxo gastroesofágico, entre outras. “Indivíduos saudáveis podem melhorar sua performance no que diz respeito às atividades esportivas, artísticas (atores, cantores e músicos) e laborais”, finaliza Mariangela.

http://rtaonline.com.br/

Artigos Relacionados