29/05/2019

Entenda a mudança de administração do Parque Hopi Hari

Entenda a mudança de administração do Parque Hopi HariPublicado em 29 maio, 2019 - 7:16 por Redação BR

No início de 2016 vimos uma nova gestão assumir o Hopi Hari, tendo José Luiz Abdalla como novo proprietário do parque e um novo presidente

Já no começo de 2017, José David assumiu como presidente da nova gestão, fechou o parque durante 2 meses para diversas reformas e foi reaberto no mês de agosto de 2017.

Desde então vimos diversas melhorias serem realizadas no parque e atualmente só faltam duas atrações para serem reabertas, La Tour Eiffel e o Tokaya. A “torre” já estava passando por reformas e tem previsão de retornar a operar até o final do ano. 

No início do dia recebemos diversas informações de que a atual administração foi destituída do cargo, portanto entramos em contato diretamente com a assessoria do parque da gestão atual e o Hopi Hari se posicionou com a nota a seguir:

“O Hopi Hari S/A, empresa em recuperação judicial, informa que, nesta terçafeira (28), a atual administração do País Mais Divertido do Mundo foi impedida pela empresa IG, por meio do seu dirigente, Nuno Vasconcellos, de entrar no parque para trabalhar. Da mesma forma, nossos funcionários estão sendo forçados pelo grupo organizado a entrarem para trabalhar, sob pena de demissão por justa causa. No fim da tarde de segunda-feira (27), o Hopi Hari foi tomado pelo grupo misterioso liderado por Vasconcellos, que em seguida tomou a área administrativa do parque, conhecida como Governi. No mesmo dia, o então presidente do parque, José David Xavier, foi destituído do cargo e impedido de entrar novamente no País Mais Divertido do Mundo, sem motivo concreto. Na mesma linha, todos os gerentes que atuam ao lado de Xavier há mais de dois anos estão recebendo ameaças de serem destituídos de seus cargos se não apoiarem o cenário que está tentando se instalar no Hopi Hari. Além disso, ainda na segundafeira, as advogadas do parque também foram demitidas por meio de uma carta escrita à mão pelo grupo de aventureiros. Diante de todas essas informações, é clara e notória a intenção da empresa IG de tomar o parque à força por ordens de Nuno Vasconcellos, um empresário português que saiu do país deixando uma dívida de mais de 700 milhões de euros, dentre outros crimes cometidos por lá e no Brasil, também – basta uma rápida pesquisa na internet para encontrar notícias nacionais e internacionais que pesam sobre ele. 

Retirar toda a diretoria atual do parque sem motivo transparente leva por água abaixo tudo o que foi realizado durante esses mais de dois anos. Vale ressaltar que, em 2017, a atual administração, sob a liderança de José David Xavier, assumiu o Hopi Hari com apenas 16% das atrações funcionando, mato alto, funcionários há mais de dez meses sem salários e uma dívida milionária. 

Atualmente, o Hopi Hari abre as portas de quinta-feira a domingo 100% revitalizado, com 98% das atrações funcionando, mais de 600 funcionários diretos e indiretos trabalhando com sorriso no rosto, 100,52% de aumento de público em 2019, em comparação ao mesmo período do ano passado (janeiro a abril), além de nota 9.3 dos visitantes, segundo pesquisas realizadas todos os dias de parque aberto.

O IG durante o retorno do Hopi Hari foi uma das empresas que auxiliou o parque em sua reabertura.

A nova administração do Hopi Hari, empossada ontem (27/05), entrou em contato para a divulgação da sua posição perante a situação: 

O Hopi Hari informa que o juiz Fábio Marcelo Holanda, da 1a Vara do Fórum de Vinhedo, determinou ontem a posse dos diretores eleitos no programa de recuperação judicial, que estavam impedidos de entrar nas dependências do Parque.

A decisão judicial foi cumprida ontem, e a nova gestão já está empossada. O presidente Alexandre Rodrigues conta com a compreensão e colaboração de todos os habitaris, a fim de que o parque possa seguir com seu funcionamento normal.

O Parque, por meio de sua nova administração, reforça que todos os postos de trabalho serão mantidos. Mais do que nunca, a gestão quer superar essa fase de transição, a fim de que o Hopi Hari siga, cada vez mais, como o país mais divertido do mundo.

Funcionários do Hopi Hari e a antiga gestão do parque, como o ex presidente José David, estão protestando em frente ao local nesse momento: 

Em matéria publicada pela revista Veja, José David cita: “É uma manobra para desviar dinheiro e levar o negócio à falência. Vou entrar com um recurso e provar isso na segunda instância”, acusa Xavier, que também possui 5% das ações do empreendimento. Ele diz que o endereço deve faturar 75 milhões de reais em 2019. “Graças à minha gestão, o Hopi Hari está aberto e no azul.”

A ação para retirar José David Xavier foi movida pela empresa IG, por meio de seu novo dirigente, Nuno Vasconcellos, empresário português que se mudou para São Paulo após ser acusado de deixar uma dívida de aproximadamente 1,2 milhão de euros no grupo que geria no exterior. Atualmente, o IG e José Luiz Abdalla, dono do parque desde 2016, batalham pelo controle acionário do ponto turístico.

Em contrapartida a nova administração respondeu a informação fornecida por José David:

“Foi apenas uma troca de direção e o parque seguirá funcionando normalmente. Os funcionários que não quiserem trabalhar serão substituídos”, avisa Sergio Emerenciano, advogado que trabalha na recuperação judicial. Esse processo, inclusive, foi anulado em novembro do ano passado. “A má gestão de Xavier foi um dos motivos”, diz Emerenciano.

Divulgação/ HapFun