25/06/2018

Rock in Rio Lisboa vira baile soul com Bruno Mars, baile funk com Anitta e bailinho de escola com Demi Lovato

Rock in Rio Lisboa vira baile soul com Bruno Mars, baile funk com Anitta e bailinho de escola com Demi Lovato

No 2º dia da edição 2018 do festival em Portugal, Anitta encarnou Carmen Miranda funkeira, Demi Lovato abusou de floreios vocais e Bruno Mars fez ‘show currículo’.

Segue o baile. Teria sido coerente se o segundo dia de Rock in Rio Lisboa tivesse mudado o nome para Baile in Rio.

A noite deste domingo (24) teve baile soul com Bruno Mars, baile desses de high school americana com dancinha lenta com Demi Lovato e baile funk pop com a estreia de Anitta na Europa.

O Parque da Bela Vista recebeu 85 mil pessoas.

Da abertura com “Finesse” ao fim com “Uptown Funk”, Bruno Mars mostrou por que é um dos maiores popstars em atividade. O show é bem parecido com o visto no Brasil em novembro passado.

É como um show currículo, no qual o americano de 1,65 m e 32 anos mostra os motivos para ter sido o grande vencedor do Grammy no começo do ano. Não que isso signifique muita coisa.

Demi paciência

 

 

 

Antes, Demetria Lovato mostrou o show da turnê que passa no Brasil no fim do ano. É uma baita performance, mas não é feita para quem abomina vocais floreados no estilo “olhem só como canto pra caramba”. Mas, vamos combinar, Demi canta.

Solta, empunhando violão e guitarra e sem trocação de roupas, Lovato só quer cantar. Às vezes, o mais alto possível. É assim nas mais dançantes e coronárias “Give your heart a break” e “Heart attack”.

O show também teve música nova. “Sober” versa sobre a batalha para tentar permanecer sóbria, desde 2012. A letra fala sobre os problemas que tem com o álcool com trechos como:

“Sinto muito pelos fãs que perdi, que me viram ter uma nova queda (…) Eu queria ser um modelo, mas sou só uma humana”.

Demi não falou com a imprensa em Lisboa, mas usou seu Instagram para falar de “Sober”: “Nesta noite, sou uma nova pessoa com uma nova vida. Obrigado a todoa que me deram força nesta jornada”.

O show é enxutinho para os padrões diva teen. Há boas concessões para fãs, como a emocionante versão semiacústica para “Don’t forget”, hit dos tempos de rock Disney do começo da carreira.

Ela derrapa no vocal um tiquinho em “Stone Cold” e enfeita além da conta nos arranjos das músicas de seu disco mais recente.

É o caso de “Sorry not sorry”, penúltima do set. Em “Tell me you love”, tenta ser Adele. Mas faz lembrar Jessie J. Quanta diferença.

Quando o sofrimento é mais contido, alternando berros e sussurros, Demi manda melhor. “Skyscraper” é bom exemplo disso.

Um dos momentos mais festejados é o que destoa do resto do show. O reggaton “Echame la culpa”, dueto com um Luis Fonsi que aparece no telão, não tem nada a ver com o resto do repertório.

Anitta poderosa

 

 

Anitta botou frutas na cabeça à la Carmen Miranda e rebolou até o chão ao som de um remix funk do choro “Tico-tico no fubá”. Foi assim a entrada dela no Palco Mundo do Rock in Rio Lisboa.

Rolou uma estreia dupla. Foi 1º vez de Anitta no Rock in Rio. Depois de Portugal, ela vai cantar também no festival no Rio em 2019. É também o lançamento da turnê “Made in Brazil”, criada mirando as primeiras apresentações dela na Europa.

Foi “um dia histórico para mim e todos os funkeiros do Brasil”, disse Anitta. Na plateia, o show teve momentos bem animados no final e uma recepção variada até chegar lá.

Emicida e Rael foram as outras atrações brasileiras do dia. Eles se apresentaram com seu projeto Língua Franca no Music Valley, segundo palco mais importante do evento.

No sábado, o Muse fechou a primeira noite desta edição. Bastille, Haim e Anavitória também se apresentaram. O próximo fim de semana tem nomes como Katy Perry, Ivete Sangalo, Chemical Brothers e The Killlers.

Divulgação / Videos: Aline Forde