Por conta do Furacão Irma, a organização demorou  quase dois meses para entregar material de divulgação

No último mês de agosto, Nathalia Valente, 14 anos, representou o Brasil no concurso Cinderella Of the World 2017. Realizado no Hotel Days Inn na cidade americana de Orlando, na Florida, o evento reuniu participantes de diferentes idades e países durante 3 dias de atividades. 

Indicada pela empresária paulista Alzira Aparecida – organizadora do Miss Brasil Infanto Juvenil –  para representar o Brasil em sua categoria, este foi o primeiro concurso profissional que a paulista moradora de Mogi das Cruzes participou. Acostumada a brincar de desfiles e se vestir de Princesa quando criança, Nathalia acabou realizando dois desejos de sua infância. 

Entre as etapas percorridas, as candidatas tiveram o desfile de traje típico, onde Nathalia representou o índio brasileiro, sessão de fotos em uma praia próxima à Orlando, uma festa de confraternização com todas as integrantes e o tão esperado desfile de gala. Para esta última, todas tiveram que elaborar um vestido inspirado nas princesas da Disney. E Nathalia escolheu a Bela, do clássico “A Bela e a Fera” por ser sua predileta.

E na semifinal, entre uma integrante do Canadá e Estados Unidos, a representante do Brasil venceu a categoria Pré Teen do Cinderella of the World 2017. 

Sobre seus sonhos após o título, a jovem miss declara: ”vou continuar participante de concursos, inclusive em 2018 eu já tenho um agendado para o Caribe. Quero ganhar outros títulos, mas também quero ajudar as pessoas, que é o principal motivo que escolhi para ser miss”.

Desorganização marca o evento

Infelizmente, o concurso foi marcado por uma série de pontos negativos. No dia indicado para o check in no hotel, o organizador do evento não esteve presente, indicando outra pessoa para designar os quartos às participantes, resultando em uma espera de quase 10 horas no hall do hotel, sem qualquer tipo de assistência. Representantes de outros países, mesmo confirmadas antecipadamente, não puderam chegar aos Estados Unidos, por conta das novas normas de emissão de visto adotadas por Donald Trump. Foram aproximadamente 15 candidatas desistentes.

Embora tenha sido enviado um roteiro com horário especificado no evento, nenhum deles foi seguido, principalmente o das refeições, deixando todas tensas e sem muita informação do que aconteceria.  Não havia profissionais de beleza para aprontá-las – visto que em todos os grandes concursos, esses profissionais estão inseridos no pacote do evento –. 

Muitas candidatas não estavam insatisfeitas, e uma das delegações preferiu não participar do evento. “O  mundo todo tem a visão de tudo nos Estados Unidos é de primeiro mundo, mas o que aconteceu nesse evento em nada lembrava o primeiro mundo.  Para se ter uma ideia, uma das misses do Canadá registrou um boletim de ocorrência e não participou do evento”, conta Cristiane Valente, mãe de Nathalia.

E por final, a entrega do material fotográfico, que demorou quase 2 meses para ser finalizada, com a desculpa do furacão Irma que havia destruído parte do conteúdo, e que precisou ser recuperado (o furacão passou rapidamente por Orlando no mês de setembro) 

Mas a empresária a mãe de Nathalia, Cristiane Valente garante que tudo valeu a pena: “a gente imagina que tudo que acontece nos Estados Unidos é de primeiro mundo, mas às vezes você acaba percebendo que não é bem assim. Mesmo com todos esses incômodos do evento, minha filha ficou muito feliz, e é isso que importa”.

 

Fotos:

Crédito das imagens – Martim Vurdel