Gaby Rodin, assistente de palco do programa ‘Tudo Pela Audiência’, apresentado por Tatá Werneck e Fábio Porchat, que esta sendo reprisado no canal por assinatura Multishow, lançou nesta quinta (17), uma chocante campanha de combate à homofobia.

Um dia antes em que é celebrado mundialmente a luta contra a homofobia, Gaby Rodin fez uma série de postagens em seu perfil no Instagram como uma forma de protesto para chamar a atenção em relação ao aumento significativo por mortes motivadas pela “lgbtfobia”, que segundo informações do Grupo Gay da Bahia que há 38 anos coleta estatísticas sobre assassinato de homossexuais e transgênero no país o aumento é de 30,8% em relação aos anos anteriores. Só no ano de 2017 foram 445 vítimas, o que faz do Brasil o líder mundial desse tipo de crime.

Nas fotos a artista aparece caracterizada com hematomas, feita com maquiagem como se estivesse sido agredida e em outras fotos sofrendo agressão por estrangulamento, o que causou grande comoção nas redes sociais. Alguns seguidores disseram estar chocados com a imagem mais que apoia a causa da luta contra a homofobia. “Ai Jesus… Vc é tão maravilhosa, tem um olhar tão expressivo, que mesmo sabendo que são só fotografias, mexe com a gente como se fosse real. Amei a ideia das fotos! Temos todos que levantar a bandeira contra a homofobia e contra todo tipo de violência ! A humanidade precisa evoluir! Viva a diferença”, – comentou uma seguidora, “Infelizmente já passei por isso. Não consigo esquecer”, disse outra pessoa. “Mais do que mensagem, a força da imagem”, destacou mais uma seguidora. A sequência de fotografias receberam milhares de curtidas, comentários e foi compartilhada por diversas pessoas usando #ChegaDeHomofobia entre outras hashtag de combate a violência.

+LEIA TAMBÉM: Jojo Todynho leva multidão ao Pavilhão de Carapina!

Segundo Gaby, a intenção do protesto foi chamar a atenção através das imagens para que mais pessoas levantasse a bandeira por uma causa tão justa. “Fiquei impressionada com o resultado final do trabalho e muito feliz, pois o objetivo era passar para pessoas através da fotografia a sensação de quem já passou por essa realidade. Confesso que foi emocionante! Precisamos combater esse mau, que assola nossa realidade e cada dia vemos mais uma morte causada por homofobia. Precisamos nos manifestar para que alguma hora alguém escute nossas vozes, não podemos deixar que em pleno século  21 esta estatística tenha uma aumento considerável”, – finaliza Gaby Rodin.

Fotos: Divulgação / Juliano Mendes Assessoria