Apresentação marcou estréia de Giovana Galdino em show solo.

O evento aconteceu neste fim de semana, no palco do Helênico Atlético Clube, no Rio Comprido, Região Central do Rio de Janeiro. Em seu repertório, a cantora mirim que também  comemorou seu aniversário no palco, deu voz a sucessos como Gostoso veneno, História de uma gata, Juízo final e Qui nem jiló. E contou com participações de peso no cenário do samba brasileiro, como a da cantora Juliana Pagung, que depois de sete anos seguidos como intérprete da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, agora tem se dedicado a divulgação de seu novo EP que traz um samba mais maduro e romântico.

O show produzido por Thereza Borges, mãe de Giovana e amiga de Juliana, também contou com a participação dos ritmistas da Manqueira do Amanhã (bateria mirim da escola).
“A Giovana faz parte de uma nova geração do samba, e o representa muito bem. O talento dela impressiona, principalmente por ser uma criança cantando samba, num momento em que outros ritmos vem se destacando cada vez mais entre nossos pequenos. Sou fã dela!”, declara Juliana Pagung, à respeito da ex-The Voice Kids, que vive um momento muito especial em sua carreira artística, participando da disputa de samba- enredos no Rio e em São Paulo.

Sobre Giovana Galdino:

Participante da segunda edição do The Voice Kids, em que competiu pelo time de Carlinhos Brown, Giovana ganhou destaque ainda mais expressivo depois que uma gravação caseira em que interpreta o samba-enredo da Mangueira viralizou nas redes sociais.

O vídeo tem mais de 1,3 milhões de visualizações e 25 mil compartilhamentos, entre eles a página oficial do cantor e compositor Chico Buarque.

A desenvoltura da artista mirim rendeu convites no universo do samba. Recentemente, Giovana interpretou a introdução de dois sambas-enredo em disputa para o carnaval 2018, nas escolas Vila Maria (São Paulo) e Beija-Flor (Rio de Janeiro).  Além disso, hoje ela integra a ala de intérpretes da Mangueira do Amanhã e é intérprete principal da Inocentes da Caprichosos.

Acompanhada do pai, o músico Serginho Deita e Rola, também cantou o Hino Nacional na abertura do Brasileirão, no Maracanã, e no encerramento da Superliga de vôlei feminino, disputado na Arena da Barra da Tijuca.