Segundo pesquisa, refrigerante lidera a lista como o alimento mais prejudicial

Mais da metade da população brasileira está acima do peso, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, e essa, talvez, seja uma das razões de o brasileiro ser o povo que mais tem se preocupado com os ingredientes que consome na comparação com outros países.

Um estudo conduzido pela GFK, empresa global de pesquisas, apontou que 7 em cada 10 brasileiros (70%) têm interesse por alimentos saudáveis. O percentual é 9% maior que a média global, de 61%.

Ainda segundo levantamento, 86% afirmam evitar o consumo de alimentos processados, no resto do mundo esse número é de 73%. Também na liderança da média global, 73% das pessoas no Brasil optam por alimentos nutritivos – contra 63% da média global.

De fato, a preocupação com a alimentação tem crescido no país. Para se ter uma ideia, o refrigerante, alimento industrializado que as pessoas consideram mais prejudicial à saúde, tem perdido espaço na mesa dos brasileiros.

Segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir), o consumo per capita da bebida caiu mais de 20% entre os anos de 2010 e 2016, passando de 88,9 para 70 litros por pessoa no ano.

Além do refrigerante, que 36% consideram prejudicial por conter açúcar, gás, conservantes, corantes e aromas, as bolachas doces e salgadas e os salgadinhos também aparecem na lista dos alimentos industrializados temidos pelos brasileiros. 

A pesquisa elencou os 18 alimentos e bebidas industrializados que os brasileiros consideram os mais prejudiciais à saúde. Confira a seguir:

 

Alimentos e bebidas Porcentagem*
Refrigerante 36%
Bolacha doce 34%
Bolacha salgada 33%
Salgadinho 32%
Sopa pronta 27%
Sobremesa pronta 26%
Sorvete 26%
Congelado 26%
Suco em pó 24%
Chocolate 24%
Guloseimas (balas e afins) 24%
Refrigerante sem açúcar 23%
Suco pronto 23%
Embutidos 23%
Fast food 23%
Caldos 22%
Azeite, manteiga e margarina 21%
Bolos e tortas 21%

*Porcentagem de pessoas que citaram o alimento ou bebida como vilão